A Cidade

HISTÓRICO

Antiga aldeia dos índios Aimorés, a região começou a ser explorada no século XVI na busca de ouro e pedras preciosas, mas o povoamento foi dificultado devido à ferocidade dos índios. Por volta do século XVIII chegaram à região, alemães e suíços que se estabeleceram cultivando café. O povoado que se formou, pertenceu a Nova Viçosa até 1775 quando, então, foi desmembrado e elevado a município com o nome de Vila de São José de Porto Alegre. Em 1931 passou a ser chamado de Mucuri e em 1938 foi elevado à categoria de Cidade.

Mucuri está localizado no Extremo Sul da Bahia. Com 1779,7 Km², limita-se ao sul com o Espírito Santo, a oeste com Minas Gerais, ao norte com os municípios baianos de Ibirapoã e Nova Viçosa e a leste, com o Oceano Atlântico, sendo portador de belezas naturais incomparáveis, formadas pelo Rio Mucuri e por um litoral de praias paradisíacas, lagoas, áreas de proteção ambiental e manguezais.

Cenário perfeito para o turismo de praia e o ecoturismo, atividades estas que experimentam um grande crescimento na cidade.

TURISMO

Situado no extremo sul da Bahia, exatamente na divisa do Espírito Santo, Mucuri é o primeiro município nordestino para quem chega na direção sudeste-nordeste e o último para quem segue na direção oposta.

Em seus 35 km de praias descontínuas, pela presença de inúmeros rios e riachos, a paisagem é incomum com destaque as falésias existentes em Costa Dourada.

Tem características muito particulares de uma região de transição ente Sul e Norte onde hábitos distintos foram incorporados à cultura baiana que, por sua vez, tem influencia portuguesa e indígena sua principal identidade.

PRAIAS

Mucuri revela-se num roteiro turístico surpreendente, no qual ecoturismo e turismo de praia atraem um número cada vez maior de visitantes. É dotado de um litoral fantástico constituído de belas praias, com destaque à Costa Dourada. Situada na divisa com estado do Espírito Santo e em área de proteção ambiental, a Costa Dourada estende-se por 25 km de litoral, apresentando majestosas falésias coloridas, que podem chegar a 15 metros de altura e ainda lagoas, manguezais, restingas, mata atlântica e mar de águas claras, os quais completam o cenário que compõe o patrimônio natural do local. Uma opção interessante é chegar à Costa Dourada através de passeios de barco, que podem ser acertados diretamente com os mestres barqueiros.

PORTO

Por ser uma antiga vila de pescadores o município apresenta características marcantes desta cultura. Visite o porto às margens do rio Mucuri, onde se pode comprar peixes e camarões frescos. Aproveite para apreciar o pôr do sol. Dali avista-se o bosque de mangue preservado.

Se gostar de pesca esportiva, esta também é uma boa opção.

PASSARELA ECOLÓGICA DO GIGICA

Localizada próximo ao porto, foi construída para acesso dos pescadores à praia. São 300 metros de travessia, numa ponte de madeira suspensa sobre o manguezal, onde é possível observar o rico ecossistema do mangue e as inúmeras espécies de caranguejos. A cada 20 metros placas contam uma espécie de estória em quadrinhos sobre Aucides Candango, "O Rei do Mangue". Ao final da passarela o turista encontra uma pequena trilha em meio à restinga em direção à praia, passando por uma bela lagoa formada pelas águas do rio e do mar.

RIO MUCURI

Principal rio do município, o Mucuri nasce na Serra do Chifre, em Minas Gerais, e deságua no Oceano Atlântico, margeando a cidade e formando um estuário lindíssimo em meio ao mangue preservado.

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A Coordenadoria Municipal de Meio Ambiente de Mucuri, instalou, na Av. Petrobrás, 515, um Núcleo de Educação Ambiental (NEA), que funciona como central para cursos, museu de Educação Ambiental e centro de estudos para alunos, professores e turistas, como biblioteca e acervo de vídeos específicos da área de Biologia, Educação Ambiental e Ecoturismo.

ARTESANATO

No Espaço do Artesão, você encontrará trabalhos originais, todos feitos à mão, por moradores de Mucuri. São criações em cestaria, mosaico, bordado, madeira, tela, tapetes, artigos de decoração e berimbaus.

FESTAS

Durante o ano são diversos eventos, com destaque ao Réveillon, Carnaval e Festa do Peroá e Aniversário da Cidade

DIVERSÃO NOTURNA

Com fortes características de cidade-veraneio, Mucuri tem uma vida agitada e alegre. A cidade é plana e arborizada. Na Avenida Petrobrás, a principal da cidade, há uma grande concentração de bares, restaurante e lojas de artesanatos. No final da tarde os jovens costumam andar de bicicleta, skate, patins, jogar vôlei, ou simplesmente, como já é tradicional, caminham descalços pelas ruas.

TURISMO CULTURAL

Comunidade Quilombola - Helvécia

Em 1818, o Governo Central concedeu a três colonos alemães, sesmarias ao longo das margens do Rio Peruípe, doze léguas acima de Nova Viçosa, na comarca de Caravelas, no extremo sul da Província da Bahia.

A comunidade de Helvécia se origina na antiga Colônia Leopoldina, uma colônia suíço-alemã, estabelecida em 1818 e que prosperou até a abolição, em 1888, dependendo da mão-de-obra escrava para o cultivo do café.

Segundo testemunho do médico da colônia, em 1858, havia uma população de 200 brancos, principalmente suíços e alemães, com alguns franceses e brasileiros e, 2000 negros, na maior parte nascidos na colônia (Töelsner apud Ferreira, 1984: 22), destacamos o fato de a comunidade de ex-escravos da Colônia Leopoldina ter se fixado na região da colônia, numa situação relativamente isolada e não se ter dispersado, tanto quanto outras populações de ex-escravos, após 1888.

A economia da região é fundamentalmente baseada na agricultura, na pecuária e na indústria da celulose. Recentemente o turismo balneário tem se desenvolvido e a comunidade trabalha em pequenas propriedades agrícolas familiares, dedicando-se, sobretudo, à cultura de subsistência. O pequeno e eventual excedente é vendido nas feiras de Helvécia, ou de Teixeira de Freitas. Esse excedente provém, normalmente, do fabrico artesanal da farinha de mandioca. Cultivam também feijão, milho, arroz, abóbora, batata, e outros legumes.

Os mais jovens e mais prósperos, chegam a empregar alguma maquinaria e adubos e fertilizantes químicos no cultivo de horti-fruti-granjeiros, que são absorvidos pelo comércio da região. No centro da vila, encontra-se o prédio da, há muito desativada, estação ferroviária da antiga Estrada-de-Ferro Bahia-Minas. A estação foi construída em 1897 e ficava a 73 quilômetros do ponto zero da ferrovia, a estação de Ponta de Areia, situada no litoral baiano. Muitos dos mais antigos trabalharam na construção e no funcionamento da ferrovia.

O acesso ao distrito de Helvécia pode ser feito ou pela BR 101 ou por Mucuri, de onde dista 54 km.